O Programa "A chance to play - O direito de brincar" lança a sistematização de resultados e efeitos

Dia 30 de junho de 2015 acontece o evento de encerramento do Programa ACTP. Neste momento será lançado também o amplo trabalho de sistematização qualitativa dos efeitos e dos resultados do conjunto de ações empreendidas no Programa. A publicação traz um relato qualitativo da sistematização das experiências vividas e busca, sobretudo, comprovar a tese principal de que a efetivação do direito de brincar representa um passo importante para a construção de uma cultura de paz.

Link para a Publicação "O direito de brincar - Sistematização qualitativa dos Efeitos do Programa ACTP"

Duas mensagens perpassam toda a publicação de forma transversal: uma de esperança e outra de indignação. As experiências concretas das mais diversas práticas do brincar comprovam que muros aparentemente intransponíveis podem ser superados. Brincar cria relação, supera distanciamentos, recria sociedade. A mensagem da indignação nasce exatamente da percepção de que o conhecimento de caminhos efetivos de desarmamento do círculo vicioso da violência não tem sido suficiente para avançarmos na transformação deste Brasil absurdamente desigual. Soluções para a superação da violência e da exclusão social existem, mas sem vontade política elas ficam limitadas em sua eficácia. 

Link zur deutschen Kurzversion: Qualitative Wirkungsanalyse des Programms 'A chance to play' [Link para a versão resumida em alemão]

No entanto, a mensagem de esperança é mais forte e multiplica a convicção que “brincando é que se faz direito” (como o formula uma organização parceira do Programa ACTP). A sistematização de resultados e efeitos contidos na presente publicação testemunha esta esperança. As histórias de vida e os relatos de experiências são vozes marcantes da efetividade do brincar e nos desafiam a continuar lutando pela efetivação deste direito humano. 

A presente publicação busca transmitir a luminosidade do brincar que incide em biografias individuais e na trama sem fim das relações comunitárias e sociais. Enquanto sistematização de resultados e de efeitos, a presente publicação é uma produção essencialmente coletiva que arranca da invisibilidade as vozes de crianças, adolescentes, jovens, pais e educadores. E, ainda, importa reconhecer o papel importante que coube à Bruna Varnier de Oliveira Leite que topou o desafio desta sistematização. Ela agarrou o fio de esperança presente nas diversas experiências concretas do brincar e foi tecendo um relato carregado de dignidade humana e de protagonismo infanto-juvenil.